25° Cultura Inglesa Festival

A Mata Atlântica é o bioma mais biodiverso do Brasil.  Entre suas características, destaca-se a presença de uma grande diversidade de epífitas, ou seja, plantas que vivem sobre outras plantas sem causar nenhum prejuízo a elas, como é o caso das orquídeas que vivem abraçadas em troncos de árvores e galhos. 

Desde a colonização do Brasil, a Mata Atlântica vem sendo amplamente devastada e inúmeras espécies já foram extintas, ao passo que outras correm risco de extinção. Atualmente resta no Brasil apenas 12,4% de sua floresta original. 

Na obra apresentada no Museu da Casa Brasileira, a artista e pesquisadora olfativa Karola Braga promove reflexões sobre a preservação do meio ambiente e nos apresenta o cheiro de quatro orquídeas que estão ameaçadas de extinção: Cattleya labiata, Miltonia regnellii, Cattleya aclandiae e Zygopetalum crinitum

A problemática da relação ausência versus presença e memória versus esquecimento é uma temática que permeia grande parte de sua obra.  Além disso, um elemento recorrente em sua produção artística é a esfera olfativa. Enquanto pesquisadora, Braga investiga as relações entre cheiro, memória, afeto e cultura, questionando o lugar do cheiro como patrimônio histórico e cultural. 

Durante expedições realizadas em Mata Atlântica, a empresa Givaudan conseguiu capturar com seu Scent Trek (headspace) - uma tecnologia utilizada no universo da perfumaria - o aroma de quatro orquídeas nativas de Mata Atlântica que estão na lista vermelha das espécies ameaçadas de extinção. Essa tecnologia permite traduzir os verdadeiros aromas de ambientes naturais sem causar nenhum dano ao ambiente.

Aqui você encontra os dados técnicos dos cheiros que estão expostos no 25˚ Cultura Inglesa Festival no Museu da Casa Brasileira 

catleya labiata (3).jpg

Orchidaceae: Comumente conhecida como a família das orquídeas, é uma das maiores famílias de plantas com flores, apresentando cerca de 850 gêneros e 20.000 espécies distribuídas por todo o mundo. 

 

No Brasil existem cerca de 2.300 espécies, em sua maioria epífitas. Ou seja, plantas que vivem abraçadas em árvores sem prejudicá-las.

Levantamento de dados das espécies 

Zygopetalum crinitum Lodd.

Família: Orchidaceae

Forma de Vida: Erva

Substrato: Epífita, Rupícola, Terrícola

Origem: Nativa

Endemismo: É endêmica do Brasil

Domínios fitogeográficos: Mata Atlântica

Tipo de vegetação: Floresta Ciliar ou Galeria, Floresta Estacional Semidecidual, Floresta Ombrófila (Floresta Pluvial), Floresta Ombrófila Mista, Vegetação Sobre Afloramentos Rochosos

Área de ocorrência: Nordeste (Bahia); Sudeste (Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo); Sul (Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina).

Ameaça de extinção: Zygopetalum crinitum subsp. pabstii (Toscano) Meneguzzo é uma subspécie bastante ornamental conhecida em apenas duas localidades no Espírito Santo. Suspeita-se a subespécie venha sofrendo um declínio contínuo no número de indivíduos maduros, devido à coleta de plantas para fins de comercialização e cultivo. Por esse motivo, a espécie foi considerada "Em perigo".

mapa 01.jpg
Zygopetalum_crinitum_1.jpg
zygopetalum crinitum.jpg

Miltonia regnellii Rchb.f.

Família: Orchidaceae

Nome popular: Violetinha das árvores

Forma de Vida: Erva

Substrato: Epífita

Origem: Nativa

Endemismo: É endêmica do Brasil

Domínios fitogeográficos: Mata Atlântica

Tipo de vegetação: Campo de Altitude, Floresta Ciliar ou Galeria, Floresta Estacional Semidecidual, Floresta Ombrófila (Floresta Pluvial)

Área de ocorrência: Sudeste (Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo) e Sul (Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina)

Ameaça de extinção: Miltonia regnellii é uma espécie epífita ocorrente em ambientes de Mata Atlântica nos estados do sudeste e sul do Brasil. Desenvolve-se em vegetação secundária, mata de galeria, floresta estacional semidecídua e floresta ombrófila densa. Amplamente distribuída, abundante e bem representada em áreas protegidas, além disso, se desenvolver em diferentes tipos vegetacionais; desta forma, Miltonia regnellii é uma espécie classificada como pouco preocupante, o que não quer dizer que não esteja na lista das espécies ameaçadas de extinção.

mapa02.jpg
miltonia (2).jpg
miltonia regnelli.jpg

Cattleya labiata Lindl.

Família: Orchidaceae

Nome popular: Catléia, Rainha-do-nordeste-brasileiro

Forma de Vida: Erva

Substrato: Epífita, Rupícula, Terrestre

Origem: Nativa

Endemismo: É endêmica do Brasil

Domínios fitogeográficos: Mata Atlântica, Caatinga

Tipo de vegetação: Floresta Ombrófila (Floresta Pluvial)

Área de ocorrência: Nordeste (Alagoas, Bahia, Ceará, Paraíba, Pernambuco) 

Ameaça de extinção: Cattleya labiata é uma espécie de ocorrência em Caatinga e Mata Atlântica em altitudes entre 500 e 1.000 m. A Caatinga brasileira vem sendo devastada para a extração de madeira que alimenta as carvoarias. Diante do exposto, suspeita-se que a espécie tenha sofrido uma redução populacional de 30% nos últimos dez anos e caso as ameaças incidentes não cessem, a população pode vir a sofrer uma redução de mesmo valor nos próximos dez anos. A espécie, por isso, foi avaliada como "Vulnerável".

mapa03.jpg
catleya labiata (2).jpg
cattleya labiata.jpg

Cattleya aclandiae Lindl.

Família: Orchidaceae

Forma de Vida: Erva

Substrato: Epífita, Rupícula, Terrestre

Origem: Nativa

Endemismo: É endêmica do Brasil

Domínios fitogeográficos: Mata Atlântica, Caatinga

Tipo de vegetação: Floresta Ombrófila (Floresta Pluvial)

Área de ocorrência: Nordeste (Bahia) - endêmica da Bahia

Ameaça de extinção: Cattleya aclandiae é uma espécie epífita ocorrente na Caatinga, exclusivamente no Estado da Bahia.Tem uma EOO de 19.668,36 km². Apresenta como maior ameaça seu alto valor ornamental. Devido à sua distribuição restrita e ao risco iminente de coletas indiscriminadas, a espécie é "Vulnerável".

Cattleya_aclandiae.jpg
mapa04_edited_edited.jpg
cattleya aclandiae.jpg
EB_logo