Xiloteca


Foto: Felipe Fontoura

A palavra xiloteca é de origem grega: xýlon (madeira) + theke (caixa, coleção).


A xiloteca é uma coleção botânica composta por diversas amostras de madeiras coletadas, catalogadas e conservadas de acordo com técnicas específicas, reunindo a maior quantidade de informações sobre as espécies. A dimensão das amostras segue tamanhos específicos e muitos acervos dispõem de um banco de fotografias das amostras em alta resolução.


Cada amostra recebe uma numeração, que corresponderá a todo o conjunto de informações sobre tipo de fibra, coloração, aroma, densidade, resistência e durabilidade, que são muito importantes para pesquisas e estudos científicos relacionados à Anatomia Vegetal, Ecológica e Comparada, Taxonomia, Sistemática e áreas relacionadas à tecnologia de madeiras. Através dessa numeração é possível acessar todas as informações das coletas, local, características da planta e do habitat, além das características de cada lenho.


Essas amostras são de grande valor, tanto para o conhecimento científico, como para as atividades econômicas que abrangem espécies madeireiras, por auxiliar na identificação de novas amostras, pela comparação de características relatadas e permitir diversos estudos sobre as características de cada madeira.


A coleção de uma xiloteca pode conter amostras em diferentes formas de conservação, como bloco, tronco ou ainda preparações histológicas (lâminas) para visualização ao microscópio, contendo cortes em planos diferentes para estudo dos tecidos. A coleção de lâminas é armazenada em laminários.


As descrições da anatomia das madeiras é regida pelas terminologias por comitê internacional da Associação Internacional de Anatomistas da Madeira (IAWA).As descrições anatômicas dos lenhos seguiram as normas estabelecidas pela Associação Internacional de Anatomistas.


Pela dificuldade de coleta e necessidade de preservação das espécies, muitas coleções são pequenas e destinadas ao acervo de espécies de valor comercial de determinadas regiões