Amaranto: um cultivo milenar

Atualizado: 16 de ago. de 2021




As plantas do gênero botânico Amaranthus são conhecidas por diversos nomes comuns: amaranto, caruru, bredo, amarantus - todas da família Amaranthaceae. Os amarantos são nativos das Américas e cultivados há mais de 5.000 anos, pelas civilizações Maia, Asteca e Inca, sendo considerado até então como um alimento sagrado. Para essas civilizações, principalmente os astecas, os amarantos recebiam importância nos aspectos nutricionais, terapêuticos e ritualísticos.


A grande maioria das plantas do gênero Amaranthus são herbáceas, ou seja, não atingem o porte de arbusto ou árvores. Apresentam um rápido crescimento sendo que, dependendo da espécie, as condições ambientais influenciam de maneira significante na estatura da planta. O caule pode apresentar variação entre 2,5 e 15 centímetros, dependendo da umidade de superfície do solo.


Apenas a espécie Amaranthus hypochondriacus (ilustração abaixo) é um caso específico, cuja altura máxima pode atingir até 1,8 metros. As folhas são verdes e dependendo da espécie podem apresentar manchas roxas, amarelas ou avermelhadas, sendo essa uma característica que faz com que essas plantas tenham grande potencial ornamental. As minúsculas flores são dispostas em inflorescências que podem ter centenas a milhares delas.

Ilustração: Plantarum indigenarum et exoticarum icones ad vivum coloratae, oder, Sammlung nach der Natur gemalter Abbildungen inn- und ausländlischer Pflanzen, für Liebhaber und Beflissene der Botanik /.