A história da primavera




Sempre associada ao ressurgimento da vida e ao florescimento das plantas, a primavera é a estação que marca o início de um novo ciclo de vida na natureza: o ano-novo do mundo natural.


Uma característica das plantas é a sazonalidade, ou seja, elas têm seu crescimento e metabolismo influenciados por estímulos do ambiente, como por exemplo a temperatura, disponibilidade de nutrientes no solo, período de exposição à luz solar (fotoperíodo), umidade e períodos de chuva ou seca.


Desta forma, cada planta apresenta uma resposta específica às mudanças de estações e para muitas espécies vegetais, é justamente a primavera que propicia as melhores condições para o crescimento e floração - coincidindo também com os períodos de maior atividade de animais que atuam como agentes polinizadores, principalmente insetos como abelhas e borboletas.


O desenvolvimento de uma flor exige um grande empenho metabólico por parte da planta, e como as flores são os órgãos de reprodução, o florescimento acontece perante as melhores condições do ambiente que propiciem a perpetuação da espécie. Todas as formas de vida são sincronizadas com os ciclos da natureza e as plantas são extremamente eficientes em distinguir mudanças sutis no ambiente e reagir a elas.


Para um grande número de plantas, a diferença de luminosidade entre dia e noite influencia a produção de hormônios vegetais, responsáveis pelo crescimento, floração, amadurecimento de frutos e senescência, por exemplo. Por este motivo, algumas plantas florescem em meses mais frios e muitas quando o inverno começa a dar lugar para a primavera. Existem ainda espécies que não dependem do fotoperíodo e florescem de modo independente às mudanças na quantidade de horas do dia iluminado e da noite.