Sorgo: da África para o mundo

Atualizado: 24 de ago. de 2021


Cultivo do sorgo.

O sorgo (Sorghum bicolor), também conhecido como milho-zaburro, mapira ou massambala é uma planta da família Poaceae (conhecida popularmente como família das gramíneas) - a mesma família do arroz, milho, trigo, aveia, centeio, cevada, cana-de-açúcar, bambu e as mais diferentes espécies de gramas.


O sorgo é originário do continente africano, mas há controvérsias que indicam que ele também esteve presente na Índia de forma nativa. De acordo com registros arqueológicos, a domesticação do sorgo deve ter acontecido há mais de 5.000 anos.


Estruturas vegetais como caule e folhas do sorgo se assemelham às do milho, podendo ter de 40 centímetros a 4 metros de altura. O crescimento das raízes de sorgo está relacionado com a temperatura do ar e é limitado pela falta de umidade no solo e outros fatores químicos da planta, mas no geral, as raízes crescem ocupando grandes áreas subterrâneas, trazendo para a planta uma grande eficiência na busca de água no solo.


As gramíneas como sorgo, milho, bambu e o trigo, apresentam flores muito pequenas, geralmente esverdeadas e sem pétalas coloridas. Das flores minúsculas, são originados frutos muito pequenos e de cores castanhas. O sorgo é considerado um cereal, por apresentar frutos secos, pequenos e com grande potencial alimentício.


O sorgo, atualmente, é o quinto cereal mais produzido no mundo e conhecido principalmente por sua versatilidade, pois é utilizado para diversas finalidades. Os grãos são utilizados como alimento humano e animal; como matéria prima para produção de álcool anidro, bebidas alcoólicas, colas e tintas; o uso de suas inflorescências para produção de vassouras; do caule é extraído açúcar e as folhas são utilizadas como cobertura vegetal e pastagens.


Registros indicam que seu cultivo na Índia (que hoje é a mais extensa área de cultivo de sorgo no mundo) ocorre há cerca de 2.000 anos. Na primeira década do século XX, foi extensivamente cultivado nos EUA para produção de xarope ou melaço, utilizado como substituto do açúcar.