A história do trigo



O trigo (Triticum aestivum) é o cereal básico utilizado na produção de pães, biscoitos e bolos e outros alimentos, há cerca de 12 mil anos. Existem diferentes espécies de trigo, todas pertencentes ao gênero Triticum, da família botânica Poaceae, também conhecida como família das Gramíneas, a mesma do arroz, milho, aveia, bambu e das inúmeras espécies de gramas.


O nome genérico Triticum é derivado do latim "debulhar" enquanto o epíteto específico aestivum vem do latim para verão. A espécie é nativa da região entre Mediterrâneo, Ásia Central, noroeste da Índia e Etiópia, e introduzida em diversas regiões do mundo.


Há indícios de que os grãos de trigo foram os primeiros cereais a serem cultivados, tendo alimentado o homem e animais desde a Idade da Pedra. Pães de 5.000 anos foram encontrados em tumbas dos antigos egípcios, e registros arqueológicos apontam que há milênios, depois de seco e moído, o pó farinhento podia ser misturado com água para produzir pães e biscoitos nutritivos com uma considerável vida útil.


Ilustração: Tacuinum sanitatis (1380-1399)

Ao longo dos séculos, fazendeiros isolaram as variedades de trigo que ofereciam melhores sementes. Estima-se que levou cerca de mil anos para que as variedades cultivadas atualmente tomassem sua forma atual. As primeiras espécies cultivadas apresentavam um problema para o agricultor, pois no momento em que os grãos estavam maduros, se desprendiam dos ramos e os coletores tinham que catá-los na terra.


Aos poucos, foram selecionadas variedades mais fáceis de colher e o grão foi tornando um importante produto da economia das mais diferentes civilizações.