Paisagismo ecológico: plantas nativas e exóticas

Atualizado: 24 de ago. de 2021


Quando o assunto é o plantio de espécies nativas e exóticas no paisagismo, sempre há bastante discussão. O agrônomo paisagista e professor dos cursos Agro para paisagistas e Técnicas básicas de jardinagem Gabriel Kehdi, explica:


A vedélia é espécie florífera nativa do Brasil.

Plantas nativas são aquelas de ocorrência local ao ambiente em que se pensa o plantio, ou seja, são originárias daquele lugar e ocorrem espontaneamente na região. Já as exóticas não ocorrem naturalmente no local de plantio, sendo originadas de outro ecossistema.


Por mais que ainda seja possível lançar mão de espécies nativas do Brasil, uma espécie de ocorrência natural no Estado do Ceará não poderá ser considerada nativa do Estado de Santa Catarina, por exemplo.


O paisagismo ecológico é a criação de espaços ajardinados com a função, além da estética e social, de promover o enriquecimento ambiental e/ou restauração do ecossistema em que está inserido. Muito além de considerar apenas o centro de origem das plantas, o paisagismo ecológico considera o serviço ambiental e a interação destas com o ecossistema em que o jardim está inserido (assim como na permacultura) e uma das principais interações a considerar é o envolvimento com polinizadores.


O uso indiscriminado de espécies exóticas em um jardim pode proporcionar um espaço com baixa interação com o ecossistema circundante, além de prestar um serviço ambiental reduzido, quando comparado com uma vegetação nativa, que apresenta uma profunda co-evolução com a fauna local e uma relação íntima com os microrganismos do solo e com plantas vizinhas, atuando como âncoras de um equilíbrio interdependente.


Porém, o número de opções de nativas viáveis para compor o paisagismo é restrito no mercado. Plantas originárias de outros ecossistemas podem atuar como chamarizes para polinizadores e deste modo, a vegetação exótica deve contemplar características fu