História da Alimentação no Brasil



Neste Dia Mundial da Alimentação, celebrado em 16 de outubro, nossa sugestão é a série História da Alimentação no Brasil, produzida pela Heco Produções e dirigida por Eugenio Puppo, que traz um minucioso levantamento das tradições alimentares brasileiras, fruto da miscigenação entre povos originários do Brasil, da população africana escravizada e dos portugueses, a aclimatação da doçaria portuguesa no Brasil com ingredientes nacionais, o processamento da farinha de mandioca, até o óleo de palma trazido pelos portugueses, feito com técnicas africanas.


Inspirada no livro homônimo de Luís da Câmara Cascudo, lançado em 1967, considerado o maior registro histórico e sociológico sobre a culinária brasileira, a série acompanha a mesma sequência do livro de Câmara Cascudo, que viajou pelo Brasil de 1943 a 1962, entrevistou ex-escravizados, pessoas nas feiras, especialistas, donas de casa, visitou casas de brasileiros de todos os tipos, estudou a cultura indígena, debruçou-se sobre uma bibliografia extensíssima e foi à África conhecer as origens de vários pratos. 


Ao apresentar depoimentos de diversos personagens brasileiros como  chefs, artistas, estudiosos além de personagens anônimos de diversas regiões do Brasil e de Portugal, que compõem a riqueza da cultura brasileira e da formação da nossa identidade, a série revela a origem de diversos ingredientes, utensílios, temperos e receitas que através de tranças históricas e geográficas, ajudaram a formar nossa cultura à mesa. 


A equipe visitou diversas cidades do país, dos Estados da Bahia, Pará, Maranhão, Rio Grande do Norte, Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás e Pernambuco, e também esteve em 11 cidades portuguesas, como Lisboa, Porto, Évora e Mirandela, em busca das raízes dos modos de alimentação.


Dividida em 13 episódios, cada capítulo é dedicado a um ingrediente essencial, evidenciando como a comida é um personagem ativo, com história e diversas relações sociais. Confira os temas de cada episódio:


Episódio 01 - A Rainha do Brasil


Nativa do Brasil e ingrediente básico da culinária indígena, a mandioca foi descrita pelos cronistas portugueses já nos primeiros registros sobre a flora brasileira. Este episódio nos leva até o Pará para acompanhar a fabricação artesanal da farinha de mandioca, mostra-nos a riqueza de adaptações e derivações proporcionadas pela planta e revela o resgate da tradição que cozinheiros brasileiros têm feito ao oferecer pratos com mandioca em seus restaurantes.


Episódio 02 - Verde Milho, Doce Milho


Cultuado pelas antigas civilizações da América, o milho já era ingrediente incontestável na dieta alimentar indígena quando o português desembarcou no Brasil. O segundo episódio apresenta o tradicional beiju de milho, feito pelas mãos de uma cozinheira Guarani, que nos mostra a importância histórica do milho na cultura brasileira, em especial nos festejos de São João, e o debate sobre as sementes transgênicas na produção do grão, além do preparo de um prato “mata-fome” acreano à base de cuscuz de milho.


Episódio 03 - O Caso das Bananas


Os índios brasileiros não conheciam grande parte das espécies de banana que comemos atualmente. Essas foram trazidas pelos colonizadores portugueses. Ao longo dos séculos, a fruta ganhou importância no cardápio do brasileiro e adquiriu uma série de significados simbólicos em nosso folclore, na arte e na cultura de massa, criando uma associação entre a banana e a ideia de latino-americanidade. Este episódio traz um prato feito com uma parte geralmente pouco utilizada da bananeira, o “umbigo” ou “coração”.


Episódio 04 - Temperos da Panela Indígena


O uso das pimentas, das ervas, a caça e o moquém, precursor do característico churrasco brasileiro, estão entre os traços distintivos dessa cozinha, ligados ao ritual do preparo e do consumo. O episódio exibe o mercado Ver-o-Peso, no Pará, seus comerciantes locais, especialistas nas receitas amazônicas, como a maniçoba e o tucupi, e os mitos indígenas ligados à alimentação.


Episódio 05 - Bebidas Inebriantes e Alimentos Líquidos


As papas, mingaus, pirões e refrescos sempre tiveram papel importante entre as comidas consumidas pelos indígenas – fornecem energia ao passo que refrescam o corpo nos climas quentes. Já em dias de celebração, há o costume de preparar bebidas alcoólicas fermentadas, ingeridas durante rituais. Neste episódio é mostrado um parque no Maranhão, onde se encontra a juçara, planta ameaçada de extinção que dá frutos muito similares ao açaí.


Episódio 06 - Leite de Coco


Este episódio nos leva até Salvador para acompanhar o preparo de um bobó de camarão e da tradicional moqueca baiana, mostra-nos a fartura de pratos e receitas, doces e salgadas, protagonizadas pelo coco e seus derivados.


Episódio 07 - A História do Cuscuz


O cuscuz, prato típico do norte da África, até hoje constitui um alimento básico, principalmente no Nordeste do Brasil. Neste episódio podemos ver a fabricação artesanal do cuscuz de farinha de milho com moinho manual e conhecemos a grande variedade de cuscuz presentes no Brasil e na África.


Episódio 08 - Dieta Africana


Mostra a produção caseira do azeite de dendê (diretamente do Recôncavo baiano) e o mundo das comidas de terreiro, marca do sincretismo religioso afro-brasileiro que ganhou as ruas pelas mãos e tabuleiros das quitandeiras.


Episódio 09 - Ementa Portuguesa


Os primeiros colonizadores europeus trouxeram mantimentos de sua terra natal, mas também se depararam com a necessidade de adequar seus hábitos à oferta local de alimento. Ao longo do tempo, criou-se uma “cultura transatlântica” da comida, na qual os dois lados promoviam o intercâmbio de costumes alimentares.


Episódio 10 - A Comida Real


A chegada da corte portuguesa ao Brasil, trouxe novos ingredientes e novos costumes à mesa, ao mesmo tempo que, aqui, tiveram que se habituar aos ingredientes nativos, inevitavelmente incorporados à dieta alimentar de Portugal.


Episódio 11 - O Doce Nunca Amargou


Muito antes da popularização do açúcar e da construção de engenhos no Brasil, já se fazia doces com mel de abelhas, influência dos mouros que ocuparam a península ibérica. Mais tarde, ela diversificou graças à atividade dos conventos, que produziam doces agregando a utilização de ovos e especiarias, constituindo uma espécie de “laboratório” do açúcar.


Episódio 12 - Doces Histórias


A abundancia de espécies frutíferas aliada à onipresença da produção açucareira fez nascer um sem-número de doces de frutas e compotas de todos os tipos. Este episódio vai até o Pará, acompanhar o processo de produção do chocolate artesanal feito com cacau nativo da Amazônia. No Rio Grande do Norte, vemos a feitura do alfenim, doce que alia o açúcar, produto base da colonização brasileira, com a técnica da tradição doceira portuguesa.


Episódio 13 - Todo Trabalho do Homem é para sua Boca


No episódio final, adentramos o universo de Luís da Câmara Cascudo, etnógrafo, folclorista, historiador e autor do livro no qual a série se baseia. Através de uma riqueza de materiais de arquivo e entrevistas com especialistas e membros da família do escritor, acompanhamos o processo de pesquisa de Cascudo, suas viagens pelo Brasil e fora dele e conhecemos as principais ideias deste livro que é um grande marco nos estudos sociológicos sobre a alimentação brasileira.



Para saber mais sobre a série História da Alimentação no Brasil, visite a página:

www.historiadaalimentacao.com.br


A série está disponível no Amazon Prime Video.


#alimentação #história #alimento #série

144 visualizações
Escola_de_Botanica_logo_branco.png

E-mail de contato

contato@escoladebotanica.com.br

Redes sociais

  • Branca Ícone Instagram
  • Branco Facebook Ícone
  • Branca ícone do YouTube

Atendimento

A Escola de Botânica está fechada durante a quarentena. Estamos trabalhando em casa e para falar conosco entre em contato através do

e-mail flores@escoladebotanica.com.br

Atendimento por e-mail de segunda a sexta.

Endereço

Rua Fortunato, 125, Santa Cecília

CEP: 01224-030 • São Paulo • SP

A Escola de Botânica está temporariamente fechada devido a pandemia. Estamos trabalhando em casa. Entre em contato conosco através do e-mail ou pelas redes sociais. Atendimento de segunda a sexta.

Copyright© 2020 por Escola de Botânica • CNPJ: 26.797.455/0001-73