Tagete: uma espécie amiga da horta


A inflorescência da tagete.

As plantas do gênero botânico Tagetes recebem diversos nomes no Brasil, como por exemplo tagete, cravo-amarelo, cravo-da-índia, rosa-da-índia. São plantas da família Asteraceae, a mesma do girassol e existem cerca de 50 espécies diferentes que ocorrem desde a América do Norte até a América do Sul. No Brasil, existem 4 espécies nativas: Tagetes erecta, T. minuta, T. osteni e T. patula.


São plantas herbáceas, ou seja, que não atingem o porte de arbusto ou árvore e crescem cerca de 80 centímetros de altura. Possuem folhas bem pequenas e intensamente verdes, aromáticas por natureza, embora algumas variedades cultivadas tenham perdido essa característica.


As inflorescências surgem a partir de ramos solitários ou agrupados com até 15 centímetros de comprimento. Assim como em todas as plantas da família Asteraceae, aquilo que vemos e chamamos de flores, na verdade são inflorescências, ou seja, um conjunto de minúsculas flores agrupadas e protegidas por brácteas quase sempre muito coloridas.


Conhecida popularmente também como cravo-de-defunto ou flor-dos-mortos, a tagete recebeu esse nome por ser tradicionalmente usada na popular festa dos mortos realizada no México, no dia 02 de novembro. As folhas e flores extremamente aromáticas são tradicionalmente usadas em rituais de sepultamento desde as civilizações mais antigas das Américas, uma forma de minimizar o odor exalado pelos corpos ao serem sepultados.


Outra característica dessas plantas é que diferentes espécies se tornaram populares por serem utilizadas como repelente natural próximo à hortas, auxiliando no combate a nematoides, vermes que atacam as raízes, causando a morte das mais diferentes plantas, principalmente hortaliças e frutíferas. Além disso, o aroma exalado pelas flores e folhas é capaz de afugentar alguns insetos indesejados.